quarta-feira, 21 de Setembro de 2011

Luxemburgo: Preço das cartas de condução aumentou 25% desde Junho





Desde Junho que o preço da carta deixou de ser fixado pelo governo. Para cumprir uma directiva comunitária, o Luxemburgo liberalizou o mercado, e agora são as escolas que entram no jogo da livre concorrência. Resultado: segundo a União dos Consumidores Luxemburgueses, o preço das aulas de condução e do código aumentou cerca de 25%. Os proprietários das escolas reconhecem o aumento e defendem-se, dizendo que estavam a perder dinheiro desde 2004.

José Gonçalves é proprietário de uma das maiores e mais antigas escolas de condução do país. Tem dez carros de instrução, outras tantas motas, um camião e dá emprego a dez instrutores. O proprietário da escola Theis diz que não tem problemas em mostrar os preços praticados na sua escola de condução porque desde 2004 que esteve a perder dinheiro com o negócio. E traz as contas bem feitas. "Em 2004 pedimos um aumento ao ministro dos Transportes. O aumento foi acordado, mas só nos foi concedido em 2007. Nesse ano fomos aumentados a preços de 2004. Desde então, já sofremos dez, ou mais, indexações salariais; o gasóleo não pára de aumentar; os seguros idem. E entretanto, estivemos a praticar preços de 2004", explica José Gonçalves.

Na escola Theis, até Junho deste ano o preço de uma aula de condução custava 48 euros. Agora custa 62,50 euros. "Penso que estou na média. Há escolas que pedem 65, outras 60 euros, à hora. Eu não sou nem dos mais baratos, nem dos mais caros. Penso que é o preço justo, porque até aqui os 48 euros não serviam para nada". E começa a fazer as contas: "Os quarenta e oito euros que cobrávamos incluía o IVA. Se retirarmos o valor do IVA chegamos aos 40 euros. Daqui há que pagar o gasóleo, 10 euros por lição, há que tirar ainda o salário do instrutor, que ganha mais ou menos 17 euros à hora. Dos 40 euros iniciais já só temos 13. E destes treze é preciso ainda tirar o dinheiro para o subsídio de férias dos empregados e pagar os impostos no final do ano. Resumindo, estávamos a lucrar cinco euros", explica Gonçalves.

José Gonçalves diz que houve muitas escolas de condução no país que fecharam as portas e muita gente a mudar de actividade por falta de futuro na profissão. Agora, desde Junho que "se respira melhor". "Foram anos muito difíceis e com muito trabalho. Tivemos que trabalhar muito para conseguir sobreviver e por isso este aumento é mais do que justo".

No Luxemburgo, a lei obriga os candidatos a terem no mínimo dezasseis horas de aulas práticas. Na escola Theis, só a prática ronda os mil euros. Depois há ainda os 180 euros das aulas teóricas, as taxas de inscrição, o imposto de selo e o preço dos dois exames (prático e teórico). Tudo somado: 1.274 euros. Uma soma considerável, mas que nem por isso tem afastado os clientes da escola.
Nas motas, por exemplo, José Gonçalves diz que começou a recusar inscrições para a obtenção da carta para a categoria A em Maio deste ano. "Tenho clientes a mais. Tenho cerca de 50 alunos para as motas e tive de recusar mais inscrições porque depois não conseguia dar resposta a tantos alunos. É que o mau tempo está aí à porta e a partir de Novembro é impossível sair com as motas", explica Gonçalves.
A carta de motociclos é mais cara do que a dos automóveis. "É fácil de explicar: nas motas é um carro para o instrutor e uma mota para o aluno. Os gastos são vezes dois", diz.

No Centro de Exames do Luxemburgo-Findel, ao final do dia, o parque enche-se de carros e motas que aproveitam o espaço para treinarem para os exames. Lucien Eiffener é instrutor na sua escola de condução, a Eiffener, em Schiflange, e não tem dúvidas: "O aumento é justo porque o gasóleo aumentou entre 80 a 90 % desde 2007 e os ordenados dos instrutores também foram sempre actualizados". E dá o exemplo da Alemanha. "Aqui ao lado as aulas são de 45 minutos e as escolas cobram 50 euros. Nós damos aulas de 60 minutos e cobramos entre 60 a 65 euros. Comparativamente, na Alemanha é mais caro do que aqui, e no Luxemburgo os salários são mais altos do que lá".

Pela mesma bitola reage Carlos Alberto Ribeiro, da escola de condução Nicolas, no Luxemburgo. "Este ano, como há eleições, o ministro resolveu liberalizar os preços do sector. Este aumento já estava calculado pela Federação dos Instrutores há muito tempo, e ainda assim ficámos 30 % abaixo dos preços praticados na Alemanha. No meu caso, com três carros de instrução e três instrutores, 48 euros à hora não dava nem para comer sardinhas"

UNIÃO DE CONSUMIDORES ATENTA AO MERCADO

A União dos Consumidores do Luxemburgo (UCL) está atenta ao aumento dos preços praticados pelas escolas de condução. Tirar uma carta de condução aumentou em média 25 %. Os dados foram divulgados pela União dos Consumidores, mas recolhidos pelo Statec. A UCL promete para breve a publicação e comparação dos preços de todas as escolas de condução do país. Depois do aumento de Junho, as escolas do Luxemburgo poderão aumentar de novo os preços já em Janeiro.
A União de Consumidores aponta também o dedo às companhias de seguros. Diz a UCL que as companhias poderão estar a violar as regras da concorrência ao terem decidido, em conjunto, deixarem de conceder o "bónus" a que os os bons condutores têm direito, no caso destes quererem assegurar uma segunda viatura. Também os familiares vão deixar de ter direito ao "bónus". Novas regras que a UCL considera poderem violar a livre concorrência. A União dos Consumidores admite apresentar queixa contra as companhias de seguros junto da Autoridade da Concorrência do Luxemburgo.

Texto e Foto: Domingos Martins


Os candidatos a exame de mota preparam-se no Centro de Exames do Luxemburgo-Findel

7 comentários:

  1. EM PORTUGAL A CARTA DE LIGEIRO CUSTA EM ALGUMAS ESCOLAS 250 EUROS COM TUDO INCLUIDO.
    28 AULAS DE CODIGO
    32 AULAS DE CONDUÇAO
    EMISSAO DE L.A.
    TAXAS DE EXAME TUDO ... NAO PERCEBO COMO...É SO FAZER AS CONTAS...

    ResponderEliminar
  2. E um "palhaço" de um Instrutor ganha (quando lhe pagam) pouco mais de 700 euros.
    Óbviamente que, o carrinho do dono da escola tem que ser um topo de gama como já vi... VERGONHA DE PAÍS este...

    ResponderEliminar
  3. Pois nos profissionais do ensino damos a cara e recebemos uma ninharia tratamos o aluno so falta andar com ele ao colo para receber uma merda de 650 por 8 horas trabalho e mais nada...enfim pais de merda

    ResponderEliminar
  4. Com este sistema aqui, qualquer dia o instrutor tem que pagar para dar aulas. Será que a fiscalização dorme? Com preços assim qual a escola de condução que pratique um ensino honesto sobrevive? Não esquecer a publicidade enganosa, mas as escolas abraçaram este lema e não há quem fiscalize... onde vamos chegar com este sistema?

    ResponderEliminar
  5. Quem é inteligente pense, será que uma carta de 250 ou 400 euros dá lucro a uma escola? Ou a intenção é arruinar o mercado?...
    Este é o país onde vale tudo, que tristeza.

    ResponderEliminar
  6. Querem acabar com a concorrencia para depois ficarem sozinhos no mercado e ai sim os precos vao comecar a subir. Claro que estou a falar desses merdosos da Seguranca maxima. Fazem o que querem e ninguem investiga nada. Admira-me a passividade da ANIECA assim como dos responsaveis do IMTT.

    ResponderEliminar
  7. voseszes sao todos uns cocos que ai andam <3 <3

    ResponderEliminar